fbpx
Agronegócio

Cotrijal espera crescimento de quase 23% na 20a edição da Expodireto

Porto Alegre, 11 de fevereiro de 2019 – A 20a edição da Expodireto Cotrijal, feira anual que acontece em Não-Me-Toque (RS), foi lançada nesta segunda-feira (11). O evento, realizado em Porto Alegre, contou com a presença de autoridades e representantes do agronegócio gaúcho. A edição deste ano acontece de 11 a 15 de março.

Segundo o presidente da Cotrijal e da feira, Nei César Mânica, a expectativa para este ano é de crescimento no valor de negócios realizados, passando de R$ 2,2 bilhões em 2018, para mais de 2,7 bilhões nesta edição. O aumento esperado é de quase 23%. “Essa será a maior edição do evento, desde sua criação, em 2000”, disse.

O parque de exposições teve área ampliada de 84 para 98 hectares em 2019. O aumento da área visa dar condições de uma ampliação da estrutura nos próximos anos, a fim de atender a demanda de empresas que esperam para ter seu estande na feira. Mânica afirma que a Cotrijal investiu entre R$ 7 e 8 milhões nesta edição. A expectativa de público fica entre 250 e 270 mil visitantes.

O presidente do evento destacou o desafio dos novos governantes, tanto no executivo estadual quanto no federal, bem como no poder legislativo. “O produtor rural espera a retomada do investimento no setor e segurança jurídica”, disse, lembrando que a feira aproxima a cadeia produtiva dos negócios. “A Expodireto é, tradicionalmente, palco de discussões importantes que afetam a agricultura, como a audiência pública do senado”, por isso ele ressalta a importância da presença de lideranças políticas.

Nesse sentido, o dirigente pediu ao governo federal que se posicione com clareza durante a feira sobre as mudanças nas regras de crédito agrícola, visando dar uma tranquilidade ao setor. Apesar da possibilidade de um encarecimento do crédito rural, Mânica ainda considera que o governo Bolsonaro vai estimular o setor agrícola. “Queremos mostrar ao governo que, em vez de fazer cortes e diminuir custos, tem que incentivar com recursos, com seguro agrícola, que não é um benefício, é uma necessidade”. A incerteza quanto à mudança nas regras pode, segundo ele, fazer com que o produtor acelere seus investimentos na feira – antecipando o final do atual Plano Safra.

A situação atual das principais safras de grãos no Rio Grande do Sul e no Brasil, como o milho, a soja e o arroz não deve afetar positiva ou negativamente os negócios na feira. “O milho e a soja estão bons, o arroz enfrenta algumas dificuldades, mas ainda assim, o produtor está bem capitalizado em alguns pontos – nem todos. Independente disso, a Expodireto é uma feira nacional e internacional e quem vem fechar negócios chega em busca de trocas de tecnologias e de experiências de comercialização”, Mânica finalizou destacando que as instituições financeiras disponibilizam, para esta edição da feira, R$ 4 bilhões para aquisição de crédito.

Eduardo Leite

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, esteve no evento e falou a respeito da missão de seu governo de promover ajustes que permitam melhorar as condições de competitividade do estado. “Precisamos reduzir custos de produção, com foco na logística, para facilitar o escoamento das safras; reduzir os custos de burocracia [citando questões de fiscalização do meio ambiente]; e reduzir os custos do próprio governo, que afetam os impostos”.

Leite disse que a Expodireto tem grande relevância econômica, pois coloca o RS no cenário nacional e internacional. Ele convocou a todos os seus secretários de Estado para estarem presentes na abertura da feira, em 11 de março, para terem contato direto com o setor agrícola e com os representantes e a população da região de Não-Me-Toque.

Gabriel Nascimento ([email protected]) / Agência SAFRAS

 

Copyright 2019 – Grupo CMA

Sobre o autor

Gabriel Antunes do Nascimento

Deixe um Comentário