Com preços mais baixos para o boi, pecuaristas se afastam

177

     Porto Alegre, 18 de dezembro de 2020 – O mercado físico de boi gordo teve uma semana lenta em termos de ritmo de negócios concretizados. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, os frigoríficos contam neste momento com escalas de abate confortáveis, posicionadas entre seis e sete dias úteis, e ainda tentam forçar os preços do boi para baixo. “Contudo, os pecuaristas começaram a adotar uma postura retraída nas negociações após o intenso movimento de queda registrado ao longo das últimas semanas, não aceitando os preços vigentes, especialmente no mercado paulista”, assinalou Maia.

    A perspectiva, conforme o analista, é de que o mercado fique ainda mais arrastado nas próximas duas semanas, devido às festividades de Natal e Ano-Novo. A expectativa gira agora em torno da retomada das negociações efetivas, no início de janeiro. “Vale ressaltar que a entrada no mercado do boi de pasto deve atrasar no início de 2021 por conta das secas registradas no país nos últimos meses, um fator que pode trazer sustentação aos preços”, completou.  

Exportação

     As exportações de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada do Brasil renderam US$ 264,193 milhões em dezembro (9 dias úteis), com média diária de US$ 29,354 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 58,717 mil toneladas, com média diária de 6,524 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.499,40.

    Na comparação com dezembro de 2019, houve baixa de 17,18% no valor médio diário, perda de 7,91% na quantidade média diária e queda de 10,07% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

     Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2020 – Grupo CMA