Café volta a fechar em NY com perdas com embarques recordes do Brasil

216

     Porto Alegre, 20 de janeiro de 2021 – A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações desta quarta-feira com preços acentuadamente mais baixos.

     As cotações voltaram a cair para o arábica ainda com correção técnica após recentes altas, com realização de lucros. Mas, os fundamentos também estiveram por trás das perdas. As indicações de amplas exportações brasileiras, recordes em 2020, e mantendo bom fluxo neste começo de 2021, pesam sobre as cotações.

     Os amplos embarques do Brasil trazem ao mercado o sentimento de tranquilidade no abastecimento global. As exportações globais também, segundo recentes números, trouxeram sinalização de que os embarques estão em bom ritmo também em outras nações. Os últimos números da Organização Internacional do Café (OIC) mostraram que os embarques mundiais cresceram 5,7% em novembro, contra o mesmo mês do ano anterior.

     E o Brasil fechou 2020 com exportações recordes de 44,5 milhões de sacas no total, segundo dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). Nos últimos meses, o país vem batendo recordes em seus embarques.

     O que limita o movimento baixista são as preocupações com a safra de 2021 do Brasil. Será uma safra menor pelo ciclo bienal da cultura e deverá ter quebra com o clima desfavorável, de altas temperaturas e falta de chuvas, em grande parte de 2020.

     Os contratos com entrega em março/2021 fecharam o dia a 125,20 centavos de dólar por libra-peso, com queda de 1,95 centavo, ou de 1,5%. A posição maio/2021 fechou a 127,30 centavos, baixa de 1,95 centavo, ou de 1,5%.

     Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA