Boa oferta deve manter cotações de milho pressionadas no Brasil

187

     Porto Alegre, 28 de janeiro de 2021 O mercado brasileiro de milho deve manter preços fracos nesta quarta-feira, com o aumento da disponibilidade de oferta em alguns estados. No cenário internacional, a Bolsa de Mercadorias de Chicago estende o tom positivo da última sessão.

     Ontem (27), o mercado brasileiro de milho registrou preços fracos, de estáveis a moderadamente mais baixos. Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, persiste o aumento da fixação de oferta em alguns estados, o que tem levado à queda dos preços. “Importante destacar que a dinâmica de mercado tende a ser outra com o avanço da colheita da soja, além do adicional de frete. Tradicionalmente a comercialização de milho fica em segundo plano”, comenta Iglesias, o que tende a dar suporte aos preços do milho.

     No Porto de Santos, o preço ficou em R$ 81,50/87,00 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço em R$ 80,50/87,00 a saca.

     No Paraná, a cotação ficou em R$ 78,00/80,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 80,00/82,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 82,00/84,00 a saca.

     No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 85,00/86,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 79,00/80,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 75,00 – R$ 76,00 a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 73,00/75,00 a saca em Rondonópolis.

CHICAGO

* Os contratos do milho com vencimento em março operam com alta de 7,00 centavos, ou 1,31%, neste momento, cotados a US$ 5,41 por bushel.

* O mercado busca suporte na boa demanda para o cereal norte-americano, especialmente por parte da China.

* Os investidores aguardam a divulgação das exportações semanais norte-americanas, que saem às 10h30 (horário de Brasília). Analistas esperam entre 900 mil e 1,6 milhão de toneladas.

* Ontem (27), os contratos de milho com entrega em março/21 fecharam a US$ 5,34, alta de 1,75 centavo de dólar, ou 0,32%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

* O dólar comercial opera com valorização de 0,27%, cotado a R$ 5,42.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia encerraram em baixa. Xangai, -1,91%. Tóquio, -1,53%.

* As principais bolsas na Europa operam em baixa. Paris, -0,11%; e Londres, -0,82%.

* O petróleo opera em baixa. Março do WTI em NY: US$ 52,75 o barril (-0,18%).

* O Dollar Index registra alta de 0,05%, a 90,69 pontos.

AGENDA

– Alemanha:  A leitura preliminar do índice de preços ao consumidor de janeiro será publicada às 10h pelo Destatis.

– EUA: A leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre de 2019 será publicada às 10h30 pelo Departamento do Comércio.

– Exportações semanais de grãos dos EUA – USDA, 10h30min.

– Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas – Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs.

– Dados das lavouras no Rio Grande do Sul – Emater, na parte da tarde.

—–Sexta-feira (29/01)

– Japão: A taxa de desemprego de dezembro será publicada na noite anterior pelo Ministério de Assuntos Internos e Comunicação.

– Japão: A leitura preliminar da produção industrial de dezembro será publicada na noite anterior pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria.

– Alemanha:  A leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) de quarto trimestre de 2020 será publicada às 4h pelo Destatis.

– Alemanha: A taxa de desemprego de janeiro será publicada às 6h pela agência federal de emprego.

– IPP de dezembro – IBGE, 9hs

– Dados do desenvolvimento das lavouras da Argentina – Ministério da Agricultura, no início do dia.

– Estimativa para a safra brasileira de soja em 2020/21 – SAFRAS & Mercado, 12hs.

– Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso – IMEA, na parte da tarde.

     Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Copyright 2021 – Grupo CMA